Poesia


ÍNDICE

Balada dos Camponeses

Desvarios

Postal de Nostalgia

Quadras a santo António de Vila Verde

Relembrando, Mãe...

Rio Turvo

Seara

Um Hino ao Sol

Tambor Silenciado

Devoção

Escravidão

Outros Tempos

Irreversível

Sonho de Natal

Grato e Suplicante

Toada do Pescador

Cantigas

A Senhora do Sameiro

Rosário

1- Inútil

2- Amargor

3- Escolhos

4- Canto Íntimo

5- Anseio Longínquo


BALADA DOS CAMPONESES



Aos campos, cantando, pelo madrugar,
acorrem as gentes, para mourejar.



Da luz ao escuro só reina o labor;
dos rostos, tisnados, escorre o suor…



Escuta-se a cotovia,
alegre, pela manhã:
desponta o sol; mais um dia
custoso e de muito afã.



Ecoam dolentes cantos,
no meio dos milheirais,
que inundam muitos recantos
de amor, ternuras e ais.



Nas eiras malha-se o milho,
o trigo, feijão, centeio,
ouvindo-se um estribilho,
repleto de paz e enleio.



Os sinos batem Trindades,
aos lares há que voltar:
já morrem as claridades;
estrelas vão cintilar.



24 de junho de 2013



Voltar Índice

DESVARIOS



Tento procuro esquecer-te,
mas confesso, nunca pude,
porque estou sempre a rever-te
n'entrega da juventude,
quando te deste, a sorrir,
sem nada, em troca, pedir...



Muitas vezes fui pensando
arranjar a solução
de abafar esta paixão:
mas o tempo foi passando
e quanto fiz foi em vão...



Pela Vida, tudo passa
e vai ficando a ilusão,
mas para minha desgraça
não há nadinha que faça
calar este coração...



Às vezes, tenho contigo
um delicioso sonho:
quero esquecer, não consigo,
julgando ser um castigo
para o instante risonho,
tido num janeiro antigo...



Ter-me-ás já esquecido
sem lembrar-te do Passado
e do inúmero gemido,
que soltei, tão dolorido,
e por ti nunca escutado?



Agora bem sei que é tarde
para sarar a ferida,
pois a paixão 'inda arde
a martirizar-me a vida...



Bem presa a mim te senti,
entre o amor e o sonho:
com prazer te possuí,
lacrimejante e risonho!



D'outro homem tu tens filhos,
mas esquecer nunca posso
que, sem arranjar sarilhos,
podíamos ter um nosso!



Foi tão pouco o que fizemos
e que, afinal, foi o Tudo,
pois na relação pusemos
e nunca mais esquecemos
um tão belo conteúdo...



Outono de 2010



Voltar Índice

POSTAL DE NOSTALGIA



Ao anterior Pároco de Sobreposta Dr. Manuel José Gonçalves



Estou longe, minh'Aldeia
quilómetros, muitos mil):
sentimentos, em cadeia,
daí, chegam ao Brasil!



É rara consolação
o viajar por aqui,
mas, saudoso, o coração,
me transporta para aí!



Nestas noites tropicais
faz-me bem fantasiar
e o que me conforta mais
é do meu Torrão falar...



A velhinha Sobreposta
é saudosa freguesia,
de que todo o filho gosta
e recorda cada dia!



O tempo das desfolhadas,
pelos caminhos, nas eiras,
cantigas e gargalhadas
e sadias brincadeiras!



Na malta havia o sentido
da confraternização:
qualquer lugar escolhido
era certa diversão!



De casa em casa, ensaiava
o nosso grupo coral:
num convívio terminava,
em comunhão fraternal...



Por esses tempos antigos,
noitadas de relembrar:
pelas casas dos amigos,
suecadas a jogar!



Noites e dias passados,
a regalar corações,
com nostalgia lembrados
em muitas ocasiões...



Nostálgico, em muita hora,
me inunda e conforta a ideia:
os belos tempos de outrora,
vividos na minh.Aldeia!



Só temos um ribeirinho,
ao fundo da Lageosa,
mas é jóia de carinho
e prenda maravilhosa!



Serás sempre o meu *Regueiro*,
lugarejo onde nasci:
até ao ai derradeiro,
recordar-me-ei de ti!



Na festa de S. Tomé,
o espaçoso terreiro,
local aprazível é
p'ra convívio verdadeiro!



A capelinha já tem
uma sineta, de novo,
que lá fica muito bem
e muito agradou ao povo!



Puras águas do Passado,
fontes de que fui useiro:
nas Cruzes, Sirga, Tapado,
na Devesa e Espinheiro...



Bouça, jóia sem igual,
encostada a pinheirais:
da minha casa natal
despedi sentidos ais...



Da Bouça fui para o Monte,
onde nove anos vivi:
em busca d'outro horizonte,
com nostalgia, parti...



Era de azeite, o lagar,
junto ao rio, na Tojeira;
também se usou p'ra serrar,
em outros tempos, madeira...



Frente à casa do Loureiro,
nos meus tempos de chupeta,
tinha um medo verdadeiro
ao passar junto à *Careta*...



Dois retábulos d'*Alminhas*,
que existem na freguesia,
são locais de ladainhas,
de Pai-nosso e ave, Maria!



É uma azáfama enorme,
p'rà festa, o arco fazer:
nem bem a noite se dorme,
que há prazo para o erguer...



Em granito, a Padroeira,
no adro à chuva e ao vento:
sem estar à sua beira,
vem-me muito ao pensamento!



Igreja paroquial
és muito linda e airosa.
Para mim não tens rival:
não há outra mais vistosa!



Dentro em pouco, Bom Jesus,
a devota multidão
a Tua Imagem conduz,
em solene procissão!



A Novena do Menino,
com as caixas a rufar,
anunciam que o divino
Infante está p'ra chegar!



Presépio movimentado,
tarefa dos escuteiros:
sempre muito visitado
por locais e forasteiros!



Vagueou a minha alma
(sem esquecer um lugar)
p'la Terra que me traz calma
e sempre hei-de recordar...



Niterói e Vila Velha, Brasil, Julho de 2005



Voltar Índice

QUADRAS A SANTO ANTÓNIO DE VILA VERDE



À Júlia R. Fernandes e família



Santo António é padroeiro
de Vila Verde, no Minho:
nunca lhe falta o romeiro
a pedir um favorzinho!



Santo António, milagreiro,
atende sempre o pedido
do rapazinho solteiro
que pretende ser marido!



A rapariga solteira
é levada, santo António,
porque procura a maneira
de arranjar um matrimónio!



Santo António, tão bondoso,
É santo casamenteiro:
com as noivas é zeloso
e morreu sendo solteiro!



Vila Verde, meu concelho,
com bênçãos de santo António:
ninguém quer chegar a velho
sem arranjar Matrimónio!



Em Vila Verde, o santinho
tem a capela devota
e lembranças de carinho
seguem muito aquela rota!



Na noite de santo António,
bem como ao longo do dia,
Vila Verde é um pandemónio,
de rusgas e de alegria!



Viras, chulas e malhões
vão Vila Verde animar:
rodopiam foliões,
todos gostam de bailar!



Ai bom Santo concelhio,
nas terras de Vila Verde,
é um povo que tem brio
e a tradição não se perde!



O santo António não é
festejado só na Vila:
em muita aldeia, com fé,
o vilaverdense perfila!



Na festa de santo António,
de arruado e serpentina:
dantes, soava o harmónio;
hoje, há muita concertina!



Cavaquinhos e braguesa,
concertinas, tocadores,
no santo António é beleza
escutar os cantadores!



Há pares apaixonados
na noite de santo António,
que os lenços dos namorados
fazem coisas do Demónio!



Santo António é festejado,
em Vila Verde, no Minho,
onde o moço, enamorado,
vaidoso, exibe um lencinho!



Vila Verde, dois legados
tem no belo património:
os lenços dos namorados
e o carinho a santo António!



Ó rico santo Antoninho,
advogado e prazenteiro:
de Vila Verde, no Minho,
és amado padroeiro!



Quem por Vila Verde passa,
mais vezes tem que voltar
e divertir-se na praça,
santo António a festejar!



"Viva santo António, viva,
e Vila Verde, também!":
Grita muita voz altiva,
que sempre ouvir-se convém...



Abril de 2012



Voltar Índice

RELEMBRANDO, MÃE...



No tempo de pequenino,
quando me embalava o berço,
minha Mãe cantava um hino,
com doçura em cada verso.



Como em tempo de criança,
juventude e nesta idade,
Mãe, não me sais da lembrança,
envolta em terna saudade...



Gostei, Mãe, de apreciar
aquela velha cantiga,
que sei bem a fez voltar
aos tempos de rapariga!



Vi a Morte muito perto
da minha Mãe, já velhinha:
nunca tem um rumo certo;
quando vem, não se adivinha!



Quando eu tiver que dizer:
"Até sempre, minha Mãe!",
sei o quanto vou sofrer,
por sabê-l'A no Além!



Pediste, Mãe, que eu cantasse
uma velhinha canção,
para que reavivasse
a maternal afeição!



'Stá doente minha Mãe
(prognóstico reservado):
que depressa fique bem
e longo tempo a meu lado.



Outra crise, Mãe querida,
graças a Deus já sanada:
um dia, serás vencida,
p'ra habitar nova morada...



Já para o Alto voaste,
ó Mãe querida e bondosa:
a minha alma deixaste
muito triste e tão saudosa.



Dia dois de Fevereiro,
ano de dois mil e dez:
minha Mãe, ai derradeiro,
deste mundo já não és.



Eu fiquei mais pobrezinho,
porque perdi minha Mãe:
falta-me o muito carinho,
que me não dá mais ninguém...



Minha Mãe foi pobrezinha,
pouco teve p'ra me dar,
mas ternura, coitadinha,
nunca ma soube negar...



Por qualquer parte que siga,
suplico, para o Além,
muito humilde, à moda antiga:
"Sua bênção, minha Mãe!"



Santa Mãe, que estás no Céu,
vai lembrando este teu filho,
p'ra que viva sem labéu
e pise um seguro trilho!



Sinto muito, muito a falta
de escutar-Te, minha Mãe,
quando a saudade me assalta
e saber que estás Além!



Minha Mãe adormeceu,
no berço da eternidade:
vida fora, verto eu
as lágrimas de saudade!



Minha Mãe já cá não mora
e habita num bom lugar:
às vezes, desejo a hora
de para Ela voar!



2008-2012



Voltar Índice

RIO TURVO



Esse rio turvo,



que passa bem perto
de um limpo lugar...



A ninguém me curvo,
pois tenho por certo
o seu pactuar...



À pura verdade
não quero nem fujo:
dantes, claridade,
agora, tão sujo...



O pequeno rio
nasce na montanha,
em local sadio,
perdendo o seu brio
e graça tamanha...



Havia peixinhos,
trutas e enguias,
que eram os carinhos,
felizes labores
e sãs alegrias
dos bons pescadores...



Havia levadas,
onde noite e dia
podiam pescar
enorme quantia
para caldeiradas
de gosto sem par,
se bem preparadas...



Peixe, pouco há,
nada variado;
trutas e enguias
nem se veem já:
e se algo é pescado
nessas enxovias
é ter atenção
com a poluição...



Perdeu-se o respeito
por tudo o que é belo
e pertence a todos,
nem há boa ação
de limpar o leito,
p'ra ser um modelo
de satisfação,
desejada a rodos
p'lo rico e vilão...



Dói muito, faz pena
ver tão triste cena!
Mas há que tomar
firme decisão,
para aniquilar
tanta poluição...
Eu sou lutador
e a ninguém me curvo,
pois sei que vão pôr
o rio mais turvo...!





3 de Maio de 2011



Voltar Índice

SEARA



Murmura-se, bem sei, de vez em quando:
Podem dizer que devo, mas não pago,
porque nunca senti qualquer afago
da multidão que foi por mim passando...



Eis a razão porque fiquei cismando
no que de bom, desde criança, trago
(e que não é um pensamento vago),
algum tempo feliz que fui gozando...



como já sinto aproximar-se o Fim,
pois muita vez me cruzo com a Morte
e ainda me persegue a Sorte avara,



desejava gozar belo festim,
ao ter lugar o derradeiro corte
na promissora e invulgar Seara...



3 de Maio de 2011



Voltar Índice

Um Hino ao Sol



Quando o Sol, deslumbrante, desponta,
a mostrar um sorriso sem par,
o caminho das lides aponta,
para tudo, com raios, banhar...



Ao luzeiro, que é perene,
densa luz a derramar,
Entoemos um solene
estribilho, de encantar.



Com vigor, sempre nos chama,
p'ra constante labutar
e feliz, também derrama,
o seu brilho, sem parar.



Doura com mil tons a Terra,
sem 'squecer qualquer recanto:
o mar, os vales, a serra
bailam num banho de encanto!



Cada manhã vai nascer,
sendo o rei das alegrias:
ninguém o pode esquecer,
pois nasce todos os dias!



Tudo pela Natureza,
em regozijo, agradece
à enorme lâmpada, acesa,
a generosa benesse!



De graça e cheio de graça,
o Universo ilumina:
tudo por onde Ele passa
é fecundado e germina...



Estende-se o Sol bendito,
com enchentes de esplendor,
p'lo Universo infinito,
levando, a tudo, calor!



Ao findar um dia afável,
dá-se o segundo arrebol,
pois é tela formidável,
à noitinha, o pôr-do-Sol!



Sem descanso, dia a dia,
todo o sítio a visitar,
fornecendo a energia
a quem dela precisar.



Mesmo quando chega a noite,
onde tem que escurecer,
noutras bandas, quem se afoite,
continua a se aquecer.



Quer de noite, quer de dia,
sem à raça ou cor olhar,
enche tudo de alegria,
de calor e bem-estar...



1 de outubro de 2012


José Fernandes da Silva



Voltar Índice

 

TAMBOR SILENCIADO



Aquele pequenito foi forçado
a ir à guerra,
a fim de combater, como soldado,
p'la sua terra!
 

A tenra idade não lhe permitia
a arma manejar.
Por isso, à frente, com aprumo, ele ia
o tambor a rufar!
 

Vezes sem-fim se repetiu a cena:
Na dianteira,
a figura franzina, mas serena,
era bandeira...
 

Certa manhã, de raios colorida,
no seu posto, a rigor,
injusta bala recebeu, perdida,
o frágil tocador!
 

Julho de 2000


Voltar Índice


DEVOÇÃO




Ao longe, soltam os sinos,
uns repenicados hinos,
lembrando que é meio-dia:
 

o que for crente e se preza,
ceio de respeito, reza,
recolhido, "ave-Maria"!
 

Depois, à noite, na torre,
quando o sol, cansado, morre,
arrastando as claridades:
outra vez há badaladas,
aspersas em revoadas,
e também reza à “Trindades”…
 

Fevereiro de 2000


Voltar Índice


ESCRAVIDÃO


Ao Padre António Rodrigues




Era bem tempo de apagar o círio,
que alumia há anos o martírio,
que me faz dele escravo permanente:
Tem sido um curso íngreme, enfadonho,
repleto de um inacabado sonho,
que só quem sofre de tais males sente...
 

Volto a gostar um pouco mais da vida
e a ter mais incentivos na subida,
que, receoso, aos poucos, vou subindo:
Prossigo a tropeçar, vezes sem conta,
em precipícios de pequena monta
que, inesperadamente, vão surgindo...
 

Preciso recompor-me do abalo
e de múltiplas culpas que 'inda calo,
embora, consciente, a defini-las:
Medito, remedito e fico tonto,
sem poder atingir aquele ponto
de as avivar, revê-las e sumi-las...
 

Se um dia for capaz de ultrapassar
a encruzilhada que me faz penar
e retira momentos de sossego:
Então, sim, poderei erguer um canto,
que, eternamente, leve a dor, o pranto
e as cruas incertezas que carrego...
 

Setembro de 2003

 

Voltar Índice


OUTROS TEMPOS


Ao Dr. Alípio da Silva Lima


Já não se reza o terço, como outrora,
nos pacíficos lares das aldeias,
repletos do luar vindo de fora,
ou sorvendo a luz frouxa das candeias!
 

Pelo Inverno, à volta da lareira,
desfiavam‑se as contas com piedade,
ante o crepitar rubro da fogueira
e a resposta dos outros, com bondade...
 

Era ao ar livre, às vezes, no Verão,
a rematar as lides e canseiras,
erguendo aos Céus a límpida oração
por cometidas faltas, passageiras...
 

Lembravam‑se os parentes, benfeitores,
amigos e até mesmo os inimigos,
e rendiam‑se múltiplos louvores,
para serem libertos dos perigos...
 

Também se orava pelos falecidos,
quer aos convivas pertencendo ou não,
para que Deus ouvisse os seus pedidos
e concedesse o divinal perdão...
 

Era pedida a bênção dos mais velhos,
ao terminar  a devotada reza,
tendo‑se em conta sempre os bons conselhos,
vindos da dignidade que se preza...
 

Que pena não haver já nas aldeias
o desfiar das contas em família,
a rogar se evitassem as mãos‑cheias
do terror, da agressão e da quezília...
 

Mas tudo terminou sem regressar,
porque julgam as novas gerações
sumir‑se‑lhes o tempo p.ra gastar
no vício, malfazer e diversões!
 

Outubro de 2003


Voltar Índice


IRREVERSÍVEL



Jamais compreendi qual a razão
dele tomar aquela decisão,
pois sempre o rotulei de equilibrado,
inteligente, amigo, responsável
e senhor de esmerada educação!
Não me passou p.la mente o outro lado,
que veio a ter um termo irreparável,
 

atendendo a que foi arrebatado
por um golpe brutal da fera Sorte,
que lhe aferiu imerecida Morte...
 

Soube depois que fôra a depressão
a causadora da situação
que, a pouco e pouco, o pôs assim frustrado
e proporcionou ser inviável
vir a alcançar uma libertação...
Não tinha dúvidas de estar minado
por doença malévola, incurável,
a que estaria sempre escravizado
e lhe não retirava a ânsia forte
de, com a Vida, concluir o corte...
 

A epilepsia combateu, em vão,
até, por fim, sentir‑se derrotado,
ante o garrote rígido, implacável
do algoz que lhe toldava o Sul e o Norte...!
 

Novembro de 2003


Voltar Índice


SONHO DE NATAL


À Maria do Sameiro Miranda



Era tão pobre, tão pobre,
que na noite de Natal
não lhe sobejava um cobre
para ter o essencial:
umas couves e batatas,
grandes riquezas, baratas...
Se existisse um gesto nobre
remediaria o mal
e teria a desejada
santa e feliz Consoada!
 

A noite ia decorrendo
e as brasas também morrendo
na reduzida lareira,
sopradas por manso vento,
que unia o triste lamento
em visita passageira...
E tremenda lassidão
lhe oprimia o coração
e vedava toda a esteira...
 

Com o borralho a esvair‑se
e sem luzir a candeia,
começou mais a sentir‑se
angustiado p.la ceia,
que já não ia servir‑se
e lhe não largava a ideia...
O sono trouxe‑lhe um sonho
delicioso e risonho:
 

Em deslumbrante mansão,
como nunca vira assim,
pejada de multidão
e cercada por jardim,
achou lauta refeição
de sortidas iguarias
e efusivas alegrias...
 

Toalha branca de linho,
com manjares de dar graças,
cobrindo a mesa de pinho:
filhós, pinhões, uvas passas,
aletria, pão‑de‑ló,
licores servidos só
em puro cristal das taças!
 

E formigos, rabanadas,
maçãs a assar na braseira,
bolo‑rei, cristalizadas
frutas, diversificadas,
e crepitante fogueira!
Pinheirinho iluminado
e um presépio imenso e lindo,
onde, nas palhas, deitado,
'stava o Menino sorrindo!
 

A confraternização
gozou de fio a pavio,
até o dia raiar...
 

Regressou a solidão,
'inda o 'stômago vazio
 

e mais gelo ao despertar...!
 

Outono de 2003

 

Voltar Índice


GRATO E SUPLICANTE


Ao Arlindo Fagundes



Já gozei felizes dias,
 

noutros tempos que lá vão,
plenos de sãs alegrias...
 

Foram, de facto, momentos,
que tanto prazer me dão,
quando tenho desalentos...
 

Aos sete anos fui à escola
e ainda me lembro bem
que levei uma sacola
já usada por alguém!
 

Não importava, contudo,
porque o que mais desejava,
como aplicado miúdo,
era a sorte no estudo,
sorvendo o que se ensinava...
 

E fui crescendo em idade,
e também na inteligência,
tendo em conta que a bondade
era a minha preferência:
Mas hoje também o é
sem dela arredar o pé...
 

Era um ditoso menino,
por desvelos cumulado,
qual florinha de jardim,
até que um dia, o Destino,
impiedoso, inesperado,
se derrubou sobre mim
e me tornou desgraçado...
 

Imerso nessa desgraça
sofri um ciclo cruel,
forçado a beber à taça
milhões de goles de fel,
até me ser dada a graça
de chupar favos de mel,
quando larguei o monturo,
começando um viver puro...
 

Convenci‑me que era útil
e o Passado fôra fútil,
com vontade de O olvidar:
Acenderam no carreiro
um cristalino luzeiro
para os passos me guiar...
Constatei não ser vedado
atingir o resultado,
que me esforcei por achar!
 

Por isso, caminho em frente,
a mostrar a muita gente
que quero sossego e paz:
De novo sinto a pujança
doutros tempos de criança
e não voltarei atrás...
Ergo a Deus uma oração,
num brado sentido e forte:
"Sede a minha protecção
e guiai‑me até à Morte!"
 

Outono de 2003


Voltar Índice


TOADA DO PESCADOR


Ao Prof. Doutor José Augusto
Pacheco e esposa

 

Durante a vida fôra pescador,
por isso, ao mar,
consagrava sentido e grande amor,
sendo impossível suceder um dia,
sem comungar
profunda nostalgia!
 

A íngrime calçada,
fronteira ao mar,
estava bem coçada
de tanto a palmilhar:
 

Desembocava num extenso largo,
delimitado
por um grosso e maciço paredão,
onde se debruçava, extasiado,
ou com um pensamento bem amargo,
que se esvaía pela imensidão...
 

Por longe andou inumeráveis vezes,
semanas, noites, dias,
e até mesmo chegaram a ser meses,
com fundas esperanças,
medonhas tempestades, ventanias
e subtis horas mansas...
 

Viu‑se envolvido
na doce calma
e no tufão:
e, recolhido,
encomendava a alma
em íntima oração...
 

Sob noites de luar,
em que as águas eram prata,
gostava de interpretar
comovida serenata!
 

E, sem enfado, repetia
tantas estrofes inventadas
de canções velhas, decoradas
de um terno álbum de poesia...
 

Trovas para a mulher,
por quem lhe arfava o peito,
eram longas amostras de querer,
de saudade, amor, pranto, enleio e preito!
 

Embora alimentasse diversas paixões,
nunca casara:
Ser pai de muitos filhos eram ilusões
com que sonhara,
 

mas que jamais concretizara...
 

Sob o balanço das ondas,
em marés de calmaria,
desfilava em largas rondas,
repletas de fantasia:
 

Via na espuma a brilhar
um delicioso leito,
para ficar, peito a peito,
com a que o quisesse amar.
Tudo, porém, sempre em vão,
porque a mais forte paixão
era dedicada ao mar!
 

O pai tinha morrido nas salgadas águas,
havia vários anos.
A família sofreu indescritíveis mágoas
e irreparáveis danos:
Mesmo assim, todavia,
sempre achava nas águas
momentos de alegria...
 

Malgrado muita vez a adversidade
o tenha visitado
nas lides piscatórias,
eram doces instantes de saudade
as ímpares histórias
e memórias
do Passado...
 

Lembrava tudo agora,
embevecido,
e um longo olhar sulcava p'lo mar fora,
enternecido!
O avô também fôra
um lobo do mar,
por isso é que mora
na profundidade,
que uma tempestade
o fez naufragar...
 

O corpo do pai
ainda apar'ceu,
mas o do avô, ai!,
o mar o comeu!
 

Imensos presságios
sobre ele desceram
em tantos naufrágios
que lhe sucederam.
 

Mas em suma:
em conta tendo a ruma
de trágicos cadilhos,
havidos e legados pelo mar,
se lhe nascessem filhos
seria a mesma sorte que iriam herdar,
 

para manter‑se a chama sempre acesa,
que há muito iluminava,
com dotes de nobreza,
os membros da família, de coragem brava!...
 

O mar e sempre o mar,
na mente a fervilhar!
 

Lençóis de puro linho,
enormes, estendidos,
tapetes do caminho
que havia a percorrer;
regalo dos sentidos,
suave amanhecer...
 

O sol a despontar,
chamando p'rò labor,
por tudo a derramar
delícias de fulgor.
 

E o barco, persistente,
desliza, mansamente...
 

Em todas as rotas,
bandos de gaivotas
fazem companhia:
Adornam o ar
e tanto piar
exprime alegria!
 

Mas quando o mar estava mesmo bravo,
redobrava a atenção pelo perigo,
porque não se podia ser escravo
do falso amigo,
 

raivoso, a arfar:
feroz, bramindo,
tudo investindo
para os tragar...
 

Quando eram lançadas
as redes ao mar
e vinham pejadas
de peixe a saltar,
 

infinda alegria,
com rezas e cantos,
à Virgem Maria
e filho Jesus,
que dão a ventura
de tanta fartura
e secam os prantos
nas ocasiões
que o mar só produz
as desilusões...
 

Quando as redes vinham cheias
de espécimes variadas,

 

faziam‑se lautas ceias
de gostosas caldeiradas,
com umas pingas regadas
e as estrelas por candeias...
 

E depois lá vinha a farra,
com canções, um belo fado,
com primor acompanhado
pelo trinar da guitarra
que, por magia, os amarra
ao evento inolvidado...
 

Mas para ele, o mar
era sempre beleza,
no terno marulhar
e na rude aspereza.
 

Embora apreciasse bem mais a bonança,
que em tudo lhe trazia raios de esperança,
 

deslumbrava‑o também a medonha procela,
onde podia ver inimitável tela!
 

E sempre, sempre o mar,
em todos os momentos,
com o melhor lugar
nos longos pensamentos!
 

Também na hora alegre ou inquieta,
glosando qualquer tema do Universo,
sentia‑se na pele de um Poeta,
compondo e declamando subtil verso.
 

Para qualquer assunto fazia um esquema
e consagrava tempo nele a trabalhar:
Sem querer, o tema
visava sempre o mar...
 

Num leve sorriso,
depois declamava,
ou então cantava,
como este improviso:
 

"Ó mar, ai, ó mar,
suave e bendito,
tapete infinito
de espuma a brilhar!
Ó mar, ai, ó mar,
rebelde e maldito,
que esqueces o grito
de quem naufragar!
 

"Ó mar, ai, ó mar,
amigo e traidor,
mas que o pescador
sempre há‑de lembrar,
pois é só amor
que tem para dar!

"Ó mar, ai, ó mar,
das grandes tormentas:
agora, és de amar,
logo, desalentas!
Revoltas que inventas,
em qualquer lugar;
espumas que ensaias,
de dia, ao luar,
com bailes nas praias
 

de rara brancura:
Só mesmo quem te ama
mantém viva a chama
de eterna doçura...
 

E sobre o paredão,
o velho tecelão
de espuma inigualável
fazia fina malha
p'rà confecção de afável
e límpida mortalha!
 

E o mar gemia,
serenamente,
porque perdia
um bom cliente,
que a vida lhe doou
e os males perdoou,
e o conhecia
como ninguém,
ou como poucos:
No dia‑a‑dia
viveu com loucos
e com alguém
 

que partilhava
da mesma opinião.
Não se ralava
com o quinhão
que usufruísse
um companheiro:
Não era useiro
do disse‑disse...
 

Eis a razão
da consideração
 

que nunca lhe negaram,
e até o premiaram
 

por tal desprendimento,
pois bem reconheciam
que nos outros não viam
tão belo sentimento...
 

Pensava muito na sorte,
n'alegria e n'amargura:
Possuir, após a morte,
 

o mar como sepultura...
 

Para o castigar,
ou recompensar,
não teve bondade,
também desta vez,
o imprevisto mar,
porque lhe não fez
tamanha vontade...
 

Em uma certa noite, regelada,
coberto de luar,
já fim d'Outono,
de bruços, sobre as pedras da calçada,
ficou a repousar
no derradeiro sono!...
 

Outono de 2003

Voltar Índice


CANTIGAS


Ao Padre João Alves de Oliveira



Canta, lindo passarinho,
um canto de enfeitiçar,
em trilados, de mansinho,
que tudo faça alegrar!
 

Ai saudoso rouxinol
que nas noites de luar,
até ao nascer do sol
não paravas de trinar!
 

É noite, escutam‑se os ralos,
vão nascer milhões de estrelas;
de manhã, cantam os galos
e o Sol pinta imensas telas!
 

Seria bom, quem me dera,
ser sempre moço e contente,
como a fresca Primavera
tão colorida e ridente!
 

Deixai cantar a cigarra,
que é o que sabe bem fazer:
desde que lhe cheire a farra,
outra vida já não quer!
 

A previdente formiga
aproveita o dia inteiro,
sem nunca sentir fadiga
de acarretar p.rw celeiro!
 

Tamborilas, mansamente,
ó chuva, sobre o telhado
e o espírito, dormente,
repousa, deliciado!
 

Improvisava tão bem
o pequeno mandrião,
a ver se lhe dava alguém
qualquer coisa para a mão...
 

Ó Sol forte e deslumbrante
inunda‑me o coração
com um banho fulgurante,
repleto de mansidão!
 

Rios que cantarolais,
em busca do largo mar:
levai lágrimas e ais
de quem está a penar!
 

Ventos todos que passais
fazei‑me um favor apenas:
vede se me transportais
para muito longe as penas!
 

Avezinha canta, canta,
que bem gosto de escutar:
quem me dera uma garganta
que te pudesse imitar!
 

Ó cintilantes estrelas,
que iluminais Céus e Terra:
destruí‑me as sequelas,
herdadas de injusta guerra!
 

Sei bem que é triste o fadário,
por .star preso na gaiola,
daquele belo canário,
que em gorjeios me consola!
 

Lua pura, véu da noite,
derrama bento luar,
num local onde me acoite
e passe o tempo a sonhar...
 

Se possível, Natureza,
até ao fim dos meus dias,
leva o manto da tristeza
e traz outro d'alegrias...

 

Maio de 2004


Voltar Índice


A SENHORA DO SAMEIRO


(Que se venera no monte do mesmo nome,
da freguesia de Espinho, Braga)

 

Ao padre Artur V. Marques

 

A Senhora do Sameiro,
dda freguesia de Espinho:
de Braga, belo roteiro
para quem visita o Minho.
 

A Senhora do Sameiro
habita linda basílica,
num lugar bem altaneiro
e de paisagem idílica!
 

A Senhora do Sameiro
está no topo de um monte
e o devotado romeiro
busca a paz da Sua fronte!
 

A Senhora do Sameiro
numa imagem primorosa:
as mãos hábeis de um canteiro
lavraram tão linda rosa!
 

A Senhora do Sameiro
por tudo derrama luz:
é o foco mensageiro
do amado filho Jesus!
 

A Senhora do Sameiro
larga fitas pelo ar,
que caem no mundo inteiro,
como mãos a abençoar!
 

A Senhora do Sameiro,
envolta em brilhante manto,
onde o crente forasteiro
seca as lágrimas do pranto...
 

A Senhora do Sameiro
no mavioso sorriso
tem estampado o letreiro,
que nos mostra o Paraíso!
 

A Senhora do Sameiro,
terna e santa Mãe de Deus,
é referente luzeiro,
que nos guia para os Céus!
 

A Senhora do Sameiro
tem piedoso coração:
no momento derradeiro
seja a nossa protecção!

18 de Janeiro de 2004

 

Voltar Índice


ROSÁRIO



Ao Jorge Emanuel Pedrosa
Ao Manuel José Miranda

 


1

INÚTIL


Esmorecido, triste e infeliz, me pus
 

que de cruéis espinhos foram povoados,
depois de há longos anos ter perdido a luz!
 

Então, aos ombros carreguei aquela Cruz,
que não julgava ser de troncos tão pesados,
nem de grandes martírios diversificados,
que unicamente os conseguiu sofrer Jesus...
 

Por mais voltas que desse não achei a forma
de, alguma vez, poder modificar a norma
da Sorte que me foi, ao nascer, cometida:
 

Também me deram para as mãos um lampadário
 

(mas só de escuridão), o meu cruel Fadário
e Estrela-guia na constelação da Vida!
 

29 de Janeiro de 2002

 

Voltar Índice


2

AMARGOR


São amargas as contas do rosário
que desfio no curso do viver:
vacilo, sob o peso do sofrer,
embora não me espere outro Fadário!
 

É tortuoso e longo o meu Calvário
e o cimo creio que não vou vencer,
porque a força e vontade de querer
se têm transformado em adversário...
 

Desanimo, lutando p'ra alcançar
a meta desde há muito definida:
mas sem um braço amigo a me amparar
 

e calma p'ra que possa discernir,
não passarei do meio da subida,
com corpo e ânimo a genuflectir...
 

30 de Janeiro de 2002

 

Voltar Índice


3

ESCOLHOS



Se agora me levanto, caio além:
tanta vez vergo ao peso da desgraça,
bebendo até ao fim o fel da taça
que, a cada instante, vai enchendo alguém!
 

Uma agonia enorme que me vem
 

do íntimo do ser e me perpassa
e que deixa vincada uma ameaça
de que acabar não pode tudo em bem...
 

Escoa-se-me a Vida, gota a gota,
na íngreme subida do Calvário,
a desfiar as contas do rosário,
 

que recomeço e findo cada dia:
dezena após dezena, sigo a rota
da pouquíssima Fé, que 'inda me guia!
 

30 de Janeiro de 2002

 

Voltar Índice


4

CANTO ÍNTIMO



Escrevo num dos trágicos momentos
em que bem desejava não viver,
ou ter a sorte de desapar'cer
nas asas de irrecuperáveis ventos!
 

Desgostos caem sobre mim aos centos
e eu tenho tido a força p'ra esconder
as lágrimas e dores do sofrer,
assim como os macabros pensamentos...
 

Ais e gemidos brotam-me do peito,
no meio da revolta e da aflição,
porque, aos poucos, começo a ver desfeito
 

o meu sonho de vida, esse quinhão,
que só a mim pertence por direito,
pois fui amealhando grão a grão!
 

31 de Janeiro de 2002

 

Voltar Índice



5

ANSEIO LONGÍNQUO


 

Por toda a parte procurei carinhos,
que me pudessem retirar da mente
o duro sofrimento do Presente,
constituído por cruéis espinhos,
 

que me infestaram todos os caminhos,
onde eu tinha uma rota permanente...
Tornei-me, assim, num fraco e impotente,
incapaz de zelar meus pergaminhos...
 

Mas nunca desisti de procurá-los,
com a esperança de poder achá-los
nas variadas incursões que fiz:
 

Contudo, sempre alguém mos tem negado
e eu sinto cada vez mais afastado
o sonho de voltar a ser feliz!
 

31 de Janeiro de 2002



Voltar Índice